Desvendando os segredos da sedução (parte 3)

20 jan 2020 by cursodesensualidade, No Comments »

Os códigos de comportamento

Além das ferramentas que a natureza dá, a atração física também ocorre por meio dos códigos de comportamento. O jeito que a pessoa caminha, como ela mexe nos cabelos e até como dança pode atrair mais olhares. O pesquisador inglês Nick Neave divulgou recentemente um estudo no qual mostra o jeito mais sexy de um homem dançar. Ele pôs 32 voluntários rebolando numa sala para apresentar para as mulheres. Os mais apreciados foram os que mesclavam movimentos curtos e longos, expandindo os braços e mexendo bem o tronco ao melhor estilo John Travolta em “Os Embalos de Sábado à Noite”. Para Neave, esses são os homens que demonstram mais autoconfiança e virilidade.

No Brasil, quem sabe dançar coladinho também ganha pontos na sedução. Conforme observado por mim, grande parte dos homens que procura uma escola de dança é para ganhar pontos com o público feminino. É uma ferramenta pronta de sedução. Sem precisar falar nada, o homem tem argumento para abraçar, passar a mão na cintura e criar a proximidade.

A ciência da atração física também revela muito sobre o Ser Humano. Uma das descobertas mais surpreendentes feita por Doug Kenrick, da Universidade do Arizona, foi num experimento em que colocou 10 homens e 10 mulheres vestidos com roupas iguais, onde escondiam ao máximo seus corpos e usavam toucas na cabeça. Na touca, cada um levava um número de acordo com seu grau de “atratividade”. Sem saber qual algarismo levavam na testa, o psicólogo pedia que cada um buscasse um par com o qual se identificasse mais. Ao final, percebeu que os que tinham números similares terminaram juntos _ o dois com o três, o nove com o dez e assim por diante. A conclusão do pesquisador é a de que, mesmo no quesito beleza, a tendência é buscar alguém similar a si próprio.

Outras pistas sobre as escolhas amorosas dadas pelas pesquisas remontam aos nossos antepassados. No geral, quase todas levam à conclusão de que as artimanhas da atração física, inconscientes ou não, têm como pano de fundo o imperativo biológico. Homens olham o rosto, o cabelo e a proporção entre cintura e quadril com o intuito de achar uma parceira saudável o suficiente para parir e cuidar de sua prole. As mulheres, por sua vez, preferem os que transpiram testosterona _ altos, ombros largos e traços fortes, em busca dos genes perfeitos para suas crias.

O psicólogo e antropólogo Christopher Ryan criticou tais pesquisas científicas: “Achar que tudo é pela reprodução da espécie é uma grande bobagem. Isso não é científico, é moralismo”. Para o pesquisador Americano, se o imperativo biológico explicasse a química da atração, não haveria casais homossexuais nem desejo nas idades mais avançadas, quando as mulheres já não podem mais engravidar. “Os pesquisadores que focam somente nessa explicação se esquecem de uma das razões que mais movem o Ser Humano em relação ao outro: o prazer”. E entenda por prazer a simples descarga elétrica composta por dopamina, serotonina e outras substâncias que desaguam no corpo quando uma pessoa se sente atraída pela outra. “Somos, com os Bonobos, a única espécie que faz sexo face a face, olhos nos olhos”. Ou seja, buscamos ou deveríamos buscar o prazer antes de tudo.

Ter em mente que a atração tem mais a ver com a busca pelo prazer do que pela reprodução é uma informação decisiva na hora de escolher parceiros. Afinal, a química que nasce entre duas pessoas num primeiro encontro pode ser traiçoeira. Nesse caso, sai de cena a biologia e entra a psicologia. O desejo é um termômetro para investir em um relacionamento. O problema é que, dependendo de como está a autoestima, a pessoa pode rebaixar sua seletividade na busca desesperada por alguém. De acordo com o psicólogo Ailton Amélio, autor do livro “O Mapa do Amor”, a maior prova de que a atração não leva necessariamente a uma relação são os números levantados durante pesquisas feitas com alunos e pacientes desde a década de 90. Cerca de 80% dos casais que ele entrevistou não foram formados com base no irresistível amor à primeira vista. Eles já se conheciam ou foram apresentados por alguém em comum. Resta saber quais armas esses entrevistados utilizaram para atrair seus parceiros. Afinal, nunca é demais exercer o poder de sedução.

Texto: Ísis Ahava.

Leave a Reply

Follow Me!

Follow Me! Follow Me! Follow Me! Follow Me!

© 2020 Curso de sensualidade ADAPTADO POR Jm Midia.

Theme Tweaker by Unreal